...
Все для WEB и WordPress
WEB и WordPress новости, темы, плагины

FALAR SOBRE ISSO

3

Recentemente, tem havido um interesse crescente pelos problemas da vida sexual, pelo que a tarefa da medicina moderna é o diagnóstico e a compreensão oportunos e completos dos problemas sexuais de cada um dos parceiros e do casal como um todo, bem como a sua consulta e tratamento. Este artigo terá como foco a sexualidade feminina e as violações de sua vida sexual.
Especialistas identificam três aspectos da saúde sexual das mulheres: identidade sexual, função sexual e relacionamentos sexuais. A sexualidade da mulher pode mudar dependendo do ciclo biológico, da situação específica e da relação com o parceiro. Com a idade, as violações da sexualidade entre as mulheres estão aumentando.

Existem várias causas de disfunção sexual em mulheres. Distúrbio do interesse sexual (desejo) – caracterizado pela ausência ou diminuição do desejo sexual (alibidemia).
O que pode causar esse transtorno? FALAR SOBRE ISSO
A diminuição do desejo sexual nas mulheres pode ser causada por uma série de razões. Em primeiro lugar, depende muito da idade da mulher. Como a primeira relação sexual de uma menina é quase sempre dolorosa, o desejo sexual pode desaparecer depois dela devido ao medo de sentir dor novamente.
Problemas ginecológicos, uma diminuição do nível de hormônios no corpo de uma mulher e pode haver razões psicológicas podem levar a uma diminuição do desejo sexual. Para determinar o que exatamente causou a diminuição da atração, você precisa ser examinado de forma abrangente e entrar em contato com um especialista que o ajudará a encontrar uma causa específica.
 Isso se aplica a mulheres de todas as faixas etárias ou cada idade tem suas próprias razões específicas para a diminuição do desejo sexual?
O fato é que o auge da sexualidade feminina ocorre em algum lugar por volta dos trinta anos. Antes dessa idade, para muitas meninas/mulheres, a sexualidade está apenas começando a despertar, e não há necessidade especial de satisfação sexual. Embora não seja para todos, tudo aqui é estritamente individual. Na menopausa, a atração da mulher pelo sexo oposto também diminui. Mas, se uma mulher no auge da sexualidade perde o interesse e, simplesmente falando, o desejo de fazer sexo desaparece, então surge um problema. Pode ser tanto fisiológica quanto psicológica.
 Qual é a primeira coisa que uma mulher deve fazer neste caso?
Primeiro você precisa ir ao ginecologista e também verificar o nível de hormônios no corpo, que desempenha um papel importante. Se não houver problemas fisiológicos, você deve visitar um psicólogo, pois o motivo da diminuição do desejo sexual pode ser psicológico. Infelizmente, por alguma razão, nosso povo tem vergonha de entrar em contato com um terapeuta sexual ou psicólogo para descobrir as causas de seus problemas. Não há necessidade de ser tímido, não há nada com que se preocupar. Pelo contrário, um especialista ajudará a prestar atenção aos aspectos da vida sexual e da saúde aos quais muitas vezes não prestamos atenção.
O próximo distúrbio é a aversão à vida sexual, ou seja, completa rejeição e aversão a qualquer tentativa de contato sexual.
 Este tipo de distúrbio sexual é semelhante ao anterior, qual é a diferença?
Sim, é semelhante, mas se manifesta de forma mais profunda e pode ser causada por motivos semelhantes. Já foi dado um exemplo do primeiro contato sexual, que foi mal sucedido e muito doloroso para a menina. Há mais um aspecto psicológico aqui, e muito depende da natureza da própria garota. Por um lado, um início malsucedido da vida sexual só pode causar uma diminuição do desejo, por outro – uma rejeição completa do sexo. Repito, tudo aqui é individual e depende das qualidades pessoais, caráter e saúde da menina/mulher.
Acontece que há uma rejeição do sexo em uma mulher com um homem em particular, embora tudo possa estar bem com outro. As relações familiares e o ambiente doméstico desempenham um papel significativo. Se há desarmonia nas relações entre os parceiros ou por qualquer motivo um homem é desagradável para uma mulher, naturalmente, a atração sexual por ele também desaparece. Neste caso, é necessário analisar um casal específico, e não parceiros separadamente, pois casais diferentes podem ter problemas sexuais completamente diferentes, e não se pode aconselhar a todos em uma coisa. O que funciona para um casal pode não funcionar para outro. Em princípio, a esfera sexual na medicina é a única esfera em que duas pessoas participam. Se um dos parceiros tem um problema, não pode deixar de afetar o segundo. E se as pessoas vão a outros médicos um por um,
Há também um tipo de distúrbio sexual em mulheres como anorgasmia. Esta é uma violação do orgasmo, sua ausência durante a vida sexual ou o apagamento de sensações com qualquer método de estimulação sexual.
 Em conexão com o que esse distúrbio pode surgir e qual das mulheres pode “ameaçar" a anorgasmia?
Como já mencionado, o pico da sexualidade feminina ocorre após trinta anos. Acontece que meninas de 17 a 18 anos que estão apenas começando a levar uma vida sexual vêm a uma consulta e reclamam da falta de orgasmo. Nessa idade, não é um problema. Os relacionamentos adultos estão apenas começando, as pessoas se acostumam, se acostumam, aprendem os traços de caráter e a fisiologia de seu parceiro. Se houver um relacionamento harmonioso e de confiança em um casal, com o tempo, a vida sexual se torna regular e, com ela, a plenitude das sensações. E acontece que algumas mulheres começam a experimentar um orgasmo somente após o parto. Na menopausa, quando há um declínio nos hormônios, também pode haver problemas com o orgasmo.
A causa da anorgasmia também pode ser um estado depressivo, quando uma mulher não deseja ter contato sexual com seu parceiro. Ao mesmo tempo, é a ausência de orgasmo que pode causar depressão em uma mulher. Este problema é uma faca de dois gumes. Portanto, se tal situação surgir, você precisa entrar em contato com um especialista e, quanto mais cedo melhor. Neste caso, você não pode atrasar, é como uma bola de neve – quanto mais longe, pior.
 Quaisquer outras doenças podem ocorrer no contexto da anorgasmia em estados depressivos?
Se uma mulher não atinge o orgasmo, ocorre estagnação nos órgãos pélvicos, nos órgãos do sistema reprodutivo da mulher, o que leva a doenças inflamatórias do sistema reprodutivo feminino. Mas isso não é um problema apenas para as mulheres, o marido/parceiro pode ter disfunção erétil ou ejaculação rápida, o que não permite que a mulher obtenha a plenitude das sensações e ela não tenha tempo para experimentar um orgasmo. Portanto, você precisa prestar atenção à duração das carícias preliminares e finais, isso é muito importante. Muitas vezes, uma mulher atinge o orgasmo não durante a relação sexual, ou seja, durante as carícias finais.
Embora aqui também cada casal seja diferente, e muito depende do temperamento da mulher. Para um, a presença ou ausência de um orgasmo não importa muito, enquanto para o outro, a anorgasmia pode resultar em depressão e doenças ginecológicas.
Acontece que uma mulher sente dor durante o sexo, o que leva ao desconforto e à impossibilidade de uma relação sexual normal. O que pode causar dor?
A dor constante ou que surge ao tentar ou ter relações sexuais é chamada de dispareunia, e contração convulsiva involuntária dos músculos da vagina e do assoalho pélvico, que ocorre sob a influência do medo da relação sexual ou do exame ginecológico – vaginismo. Esses dois conceitos são muito semelhantes, mas existem diferenças. Se com dispareunia há sensações de dor que complicam o processo de relação sexual, mas ainda é possível, com vaginismo não é. Com esse distúrbio, é impossível até mesmo realizar um exame ginecológico devido a sensações dolorosas. Há muitas razões para esses distúrbios. São doenças inflamatórias dos órgãos genitais femininos, a chamada síndrome da dor pélvica, etc. O vaginismo geralmente ocorre no contexto de trauma psicológico sofrido durante o primeiro contato sexual e defloramento malsucedido. Depois disso, durante o contato sexual subsequente, ocorre uma contração involuntária dos músculos do períneo e da vagina, o que impossibilita a relação sexual. Com esse problema, você definitivamente deve ir ao médico. Você não pode esperar que tudo desapareça por conta própria – não vai.
 Qual médico você deve procurar em primeiro lugar – um sexólogo ou um ginecologista? Afinal o problema pode ser de caráter ginecológico?
Como já mencionado, a dor pode ocorrer devido à inflamação dos órgãos genitais femininos. Portanto, com esse problema, antes de tudo, você precisa ir a um ginecologista.
Fenômenos semelhantes também podem ocorrer devido ao distúrbio do sistema endócrino de uma mulher, desequilíbrio hormonal, então você também precisa visitar um endocrinologista.
Os fatores que contribuem para o desenvolvimento de distúrbios sexuais são variados. Como mencionado acima, podem ser doenças ginecológicas, doenças do sistema urinário, incluindo doenças sexualmente transmissíveis, alterações na quantidade de hormônios sexuais, bem como doenças do sistema endócrino. Além disso, a causa dos distúrbios sexuais pode ser doenças do sistema cardiovascular, neurológico e alterações no estado mental de uma mulher. Fatores psicológicos podem levar a violações na vida sexual – perda de sentimentos de amor por um parceiro, diminuição da atratividade de um parceiro, discórdia nas relações familiares etc.
 O que deve ser feito em primeiro lugar e como se comportar em caso de um problema sexual na família?FALAR SOBRE ISSO
Se houver algum problema nas relações sexuais dos parceiros, antes de tudo, você precisa contar um ao outro sobre isso. Pessoas que vivem juntas, constroem seus relacionamentos e sua vida – essas são as pessoas mais próximas. Não há necessidade de ser tímido em tais conversas, mas pelo contrário, dizer o que alguém gosta, o que é adequado ou vice-versa, causa rejeição. Muitas vezes, são as omissões em um casal que podem causar distúrbios sexuais. E a chave do sucesso no diagnóstico e prescrição do tratamento correto é o trabalho conjunto de vários especialistas com a possibilidade de envolver sexólogo, sexólogo, ginecologista, urologista, psicólogo, psiquiatra, endocrinologista, neurologista, dermatovenereologista e fisioterapeuta.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Consulte Mais informação