Все для WEB и WordPress
WEB и WordPress новости, темы, плагины

HISTÓRIA DE VIDA “A VIDA ATRÁS DA CERCA”

0

Seu luxuoso pátio está escondido dos vizinhos atrás de uma cerca alta.

“Não adianta espiar como as autoridades vivem", respondeu Boris Petrovich à repreensão de sua esposa, por que, dizem eles, se cercam das pessoas.

Boris Petrovich foi para os funcionários toda a sua vida. As pessoas da cidade não gostavam dele. Houve muita honra. Ele chegou a dividir seus parentes em “pobres” e “tais”.

Ele reclamou que não teve sorte com seus vizinhos: eles eram muito simples para suas posições. Não visitar, não convidar. Cumprimentado com bom humor. E quando um vizinho que mora do outro lado da rua, o filho sofreu um terrível acidente e a mulher pediu ajuda a Boris Petrovich, ele referiu estar ocupado. Maxim foi desativado. E o vizinho guardou rancor.

Lida, a esposa, nunca disse uma palavra extra. Disseram que o marido a comeu, que ela não podia dar à luz um filho. “E quem vai ficar com toda essa bondade?” vizinhos e parentes pensavam.

Havia muitos que queriam fazer amizade com Boris Petrovich, porque "ele pode fazer qualquer coisa". Foi convidado para vários eventos. Ele adorou a atenção. Ele sabia falar lindamente e fazer brindes. Lida não gostou desses eventos. Mas eu tenho que estar com meu marido. Eles simpatizaram com ela. Muitas vezes pego olhares de pena. Nesses momentos, eu queria me esconder atrás de uma cerca alta …

Quanto mais alto Boris Petrovich recebeu, mais arrogante ele se tornou. Amigos da escola e da faculdade se tornaram antigos. Lidava apenas com as pessoas certas. E ele também começou a “ficar doente” com mulheres morenas. Sua esposa tem cabelo de trigo. Quando eu era um cara, lutei com os caras pela Lida. O tempo passou, e a beleza com o cabelo de trigo maduro se transformou em um rato cinza assustado.

Lida trabalhava em uma das instituições. Para as mulheres, ela era o alvo número um das fofocas.

“Se eu tivesse tanto dinheiro, não seria pior do que uma estrela de Hollywood”, suspirou a ex-miss do centro regional Larisa. E Linda…

“Petrovich não coloca um centavo nela”, defendeu o contador Lida. – Eu peguei um resfriado em jovens morenas. No entanto, Lida não vai sair. Homem de família "decente". E foram seus pais que ajudaram Petrovich a abrir caminho para o poder. Eles eram poderosos e não pobres. Mas Petrovich era astuto e tinha uma boa fisionomia.

“Ele ainda não tem nada,” Larisa revirou os olhos sonhadoramente.

– Você não vai conseguir nada. Você é ruiva”, riu o contador.

… Boris Petrovich chamou depreciativamente as pessoas que vieram ao seu escritório com seus problemas de "peticionários". Quem eram homens e mulheres comuns e bem trabalhados para ele?

Quando chegou ao topo, a falecida mãe perguntou: “Boriska, filho, respeite e ouça as pessoas para que não te xinguem. Ninguém nunca reclamou da nossa família.” As palavras da mamãe foram esquecidas, porque a tentação era grande de tirar tudo da vida e até um pouco mais.

… Lida adoeceu de repente. Os médicos aconselharam Boris Petrovich a levar sua esposa à clínica da capital. Não escutei. Ele olhou indiferente para o belo corpo de Lida. Seu gemido baixo o irritou. Ele se pegou pensando que essa mulher doente logo desapareceria de sua vida. E em público ele fingiu ser um marido de coração partido.

Lida pediu para deixar sua prima visitá-los e ajudar a cozinhar e limpar.

– Eu não tenho o poder. E Natasha está desempregada agora. Nós a pagaríamos.

Recusou. Gritou:

“Por que estranhos têm que vagar por aqui?” Observe como eu vivo? E então fofoca.

– E ainda estou morando aqui, Boris.

"Isso mesmo, por enquanto", disse ele com firmeza.

… Quando Lida morreu, Boris Petrovich deu um suspiro de alívio por não ter mais que chamar médicos, visitar sua esposa doente no hospital, suportar o cheiro de remédios em casa. Agora ele pode passar mais tempo com sua amada morena. E após a morte de sua esposa, ela se tornou intrusiva. Em vão que Boris Petrovich tem cinquenta e cinco anos, e ela é quase trinta anos mais nova. A idade, comparada com seu status e riqueza, não é nada para ela.

Boris Petrovich nunca convidou sua "amada" casa. E quando um dia a paixão apareceu na frente do portão sem permissão, ele deu a ela uma “demissão”. Ele não tinha ideia de compartilhar com alguém o seu bem. Em particular, ele admirava sua condição. Apenas pássaros voando alto vinham para suas mansões. Orgulhosamente organizados passeios da casa, um grande jardim com uma variedade de árvores e flores. Ele me presenteou com bebidas caras doadas por pessoas "gratas" e pratos deliciosos preparados no meu restaurante favorito.

“Você precisa de uma anfitriã, Boris Petrovich”, disseram convidados da capital e “queridos” amigos. Ele balançou a cabeça contritamente: não há ninguém como sua falecida Lida, eles viveram por tantos anos em harmonia e amor … O papel de um viúvo inconsolável foi dado a ele maravilhosamente.

… Quanto mais perto da aposentadoria, mais medo eu tinha de ficar sem emprego, presentes caros. Não imaginava como era possível não administrar, não pressionar a próxima vítima, não “brilhar” diante do público, não decidir o destino dos outros. E quando as altas autoridades decidiram deixar Boris Petrovich trabalhar um pouco mais, pela primeira vez ele fez um presente do próprio bolso para órfãos – ele comprou muitos doces. E ele não trouxe na véspera de algum feriado, mas assim mesmo. Que odes lhe foram cantadas por isso!

… Saúde "pediu" Boris Petrovich para se aposentar. Na casa grande tornou-se insuportável de solidão. Chamados de "queridos" amigos, convidados a visitar. Eles citaram o emprego. Como ele certa vez, "decidiram assuntos de importância nacional". Lembrou-se daqueles a quem ajudou a fazer carreira, arranjou filhos para universidades, assinou os documentos necessários. Ele também ligou, entre outras coisas, pedindo para "passar um minuto". Mas eles também não tinham tempo para ele. Ele se tornou inútil.

Mansões espaçosas pressionavam o cérebro. E no quintal, seus olhos pousaram em uma cerca alta. Em algum momento, pareceu ao homem que ele havia passado toda a sua vida atrás de uma cerca alta, com a qual se isolou das pessoas e do mundo. Fez um banco perto do portão. Como os vizinhos.

Agora Boris Petrovich ficou sentado no banco por um longo tempo em dias bonitos. Mas ninguém parou perto dele para trocar algumas palavras. Apenas Maxim sorriu estupidamente e acenou com a mão quando sua mãe o levou em uma cadeira de rodas.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Consulte Mais informação